Vida

Quem que passou por esta vida que não teve uma decepção, uma bofetada, uma queda, um grande fracasso, uma desilusão ou uma traição?

Quem que passou por esta vida que nunca teve uma grande perda, nunca sofreu, nunca sentiu vergonha de si mesmo ou nunca amou?

Quem nessa vida nunca chorou amargamente de saudades de alguém, nunca sentiu a crueldade, a lágrima sentida amorosa ou cruel? 

Quem na vida passou e nunca admirou as flores, o amanhecer, de andar na terra, admirar as gargalhadas das crianças, o sol da tarde, sentir o amor de mãe, a nostalgia machucando o seu peito, sentir o céu nublado e a noite escura como trevas?

Quem na vida nunca precisou de uma mão amiga, das conversas gostosas com o pai, o amor da mulher amada, de um filho amigo digno, de uma amizade sadia que esta sempre ao nosso lado nos amparando nos momentos difíceis?

Qual foi a criatura que sendo vencido ou vencedor, rico ou pobre, rei ou mendigo, senhor ou criado, conquistado ou conquistador, ignorante ou sábio que não passou pela porta do nascimento que inicia a grande jornada da vida, sequência misteriosa sem desvios e sem fim?

            Somente quem ainda não nasceu. Porque os que já passaram pela existência antes de nós sofreram, caíram, choraram, sorriram e já se foram, eternas apresentações no grande espetáculo da humanidade ensinando-nos que: Vencido não é o farrapo andrajoso e sim aquele que engana a si mesmo para viver; vencedor não é o que recebe honras e ostentando a fama que treme o mundo pensa em possuí-lo. Nada disso é glória ou vitória ou é a nós “mesmos” para sermos vencedor.

 

“A vida é uma larga estrada misteriosa, sem desvios e sem fim, é necessário percorrê-la como farrapo vencido, ou como homem vencedor.”