Uma História de Amor

        Esta história é de uma cliente que queria saber de sua vida passada, por vários motivos que a perturbava. Vamos à história (claro que com a autorização dela sem citar o seu nome atual, agora a história e os nomes são reais de sua vida passada).

        Aconteceu na cidade de Zima, na Rússia, no ano de 1098. Nessa cidade existia um casal, o marido chamava Serghiei Galvin e sua esposa Kalinka Romantev Galvin, tiveram oito filhos sendo uma menina, a mais velha. O Sr. Serghiei era um comerciante de pedras preciosas e sua esposa cuidava do lar e dos filhos, já que o marido viajava muito por causa de suas atividades que eram de compra e venda de pedras preciosas. Sua esposa sozinha fazia todos os serviços de casa e não tinha ninguém para auxiliá-la.

        Sua filha mais velha se chamava Levinka, ainda muito pequena sentiu necessidade de ajudar a sua mãe e aos poucos foi aprendendo com ela todos os deveres da casa e cada ano nascia mais uma criança. O Sr. Serghiei era um homem muito rico, mas muito seguro, até mesmo na alimentação para a família, tudo ele achava caro, era tão sovina que a família passava fome. Levinka era muito esperta, miúda e franzina, ela se sacrificava a passar forme para que seus irmãos tivessem mais comida e ela dava a todos muito carinho pela ordem de idade era: Demitri, Vladimir, Tevguenni Alexander, Boris, Marat e Leonid.

        Levinka cuidava de seus irmãos como se fossem seus filhos. Certa noite acordou com o seu pai aos berros com sua mãe porque ela estava grávida novamente. Levinka levantou-se e foi até o quarto, seu pai a olhou e gritando deu uma bofetada no rosto de sua mãe. Vendo aquilo, enfrentou seu pai, que bateu em ambas e as colocaram num quarto escuro, ficando sete dias a pão e água. O Sr. Serghiei somente tirou as duas para fazerem pães, porque tinha acabado, sendo que ele e os sete filhos também passaram a pão e água durante esse período. Todos estavam famintos, as duas fizeram muita comida, porém ele ordenou as duas para não comerem nada, somente pão e água e voltarem para o castigo no quarto escuro. Ficaram muitos meses nesse ciclo, saindo do quarto quando a comida acabava, faziam as comidas e os pães e voltavam para o castigo no quarto.

        Levinka já tinha 15 anos e um belo dia o Sr. Serghiei abriu a porta do quarto, ela saiu se arrastando e chorando muito, quase não tinha forças para falar. Sua mãe, a Sra. Kalinka, já estava na hora do parto, quase sem forças mas contando com a ajuda de Levinka, que mesmo se arrastando ajudou a mãe no parto. Levinka tinha muita experiência, pois já tinha ajudado pelo menos em dois partos, além de sempre ajudar no parto das senhoras vizinhas e em todos partos da vila, adorando-a por ser uma mocinha tão solícita.

        Nasceu uma menina e sua mãe perguntou:

- Levinka, minha querida filha, é uma menina não é?

       Levinka em prantos respondeu que sim, e ela continuou:

- Minha querida Levinka sempre respeite seu pai e faça com que seus irmãos o respeitem também. Sorriu e desencarnou.

       Levinka não teve condições para chorar, passou a criança para seu pai e desmaiou. Demitri quando viu a mãe estendia e a sua querida irmã jogada no chão, avançou conta o pai e com a ajuda dos demais irmãos deram-lhe uma surra, deixando o mesmo jogado no chão. Os vizinhos, escutando os gritos, foram até lá ver o que estava acontecendo e acudiram Levinka e o bebê com vida, levaram para suas casas e os irmãos fizeram o enterro da mãe.

       A partir deste dia Demitri, Vladimir e Levinka assumiram a casa e os negócios do pai. Levinka fez o que a mãe pedira, que os irmãos respeitassem o pai, mas a caçula ficou com a Sra. Tatyana Soloviec Polinovsky e seu marido Elim Polinovsky.

       Os negócios nas mãos de Demitri e Vladimir prosperam muito e chamaram o sr. Elim Polinovsky como sócio. Para manter Nathalie, irmã caçula perto deles, Levinka se aperfeiçou e se tornou a parteira da cidade.

       Hoje em dia Levinka reencarnou aqui em Ribeirão Preto e é médica obstreta no Hospital das Clínicas de Belo Horizonte, sendo que teve dois filhos que são os espíritos de Demetri e Leonid.

       É uma mulher feliz.