Ter a Mente Limpa para Enxergar o Amor

“Minha doutrina se resume em uma coisa só que abrange tudo. Toda sabedoria consiste em aperfeiçoar-se a si mesmo e amar os outros como a si mesmo”. (Confúcio).

Para que tenhamos uma condição de vida, temos que ter também atividade mental e física; porque a inatividade absoluta significa a morte.

Mas, as nossas atividades tomam uma expressão variada em nossa existência. Estas atividades podem ser divididas em três classes, segundo o motivo que o inspira.

Observamos que na primeira classe está incluído tudo o que fazemos para a conservação do corpo: alegria, tristeza e os nossos pensamentos, a segunda são todas as ações feitas por obrigação e a terceira é tudo o que é feito por livre vontade e amor.

As ações da primeira classe são realizadas para satisfazer as necessidades da natureza animal, ocorrem principalmente quando a natureza moral começa a desenvolver-se. É neste estágio que o ser humano começa a desenvolver a compreensão e a conhecer os direitos humanos e as suas divisões, de como respeitar o direito dos outros e também, perceber os graus de parentescos com as pessoas e distinguir os que têm maiores contatos de relacionamentos.

Quando um ser humano passa a perceber que um parente está cuidando de suas necessidades físicas, percebe então que deve cuidar desta pessoa ou mesmo em orientá-la para que possa ter mais conforto, como se fosse o seu próprio, isto é muito importante porque começam a despertar o dever da família.

Da mesma forma, passa a ter contato com outros vizinhos e passa a sentir por eles carinho e percebe que sente o mesmo sentimento que sentiu pelos seus consanguíneos e então procura defender os interesses deles como defende os seus. Daí a origem do dever para com os amigos e vizinhos.

Por este motivo que na minha caminhada estou sempre procuramos orientar as pessoas, para que possam construir a sua felicidade terão que compartilhar com os parentes e os amigos com o mesmo carinho e afeto que se dedica a si mesmo.

Contudo, o dever dos indivíduos varia conforme a natureza e as circunstâncias, não pode haver uma regra absoluta do dever para todos, visto que, em sua essência o dever é relativo, porque devemos amá-los e orientá-los, não devemos assumir a responsabilidade deles toda para nós.

Devemos tomar cuidado, visto que ao querer tomar conta deles, passamos a resolver todos os seus problemas, este é um amor também, mas não é um amor de viver juntos. Viver os momentos é um amor diferente, podemos amar uma pessoa e fazer tudo para que ela seja feliz.

Em geral a humanidade se confunde, um pensa que é o amor por prazer e a outra parte, por sua vez, entende o amor por ser um ser humano superior. Outros, ainda, se afastam pensando coisas ruins de uma pessoa por ter tentando ajudá-los e ainda outros que passam a se aproveitar destas pessoas amorosas.

O amor quando é distorcido, transforma-se em apego, ciúme e ódio. Sim, quando se é mal compreendido.

Sabemos quantos casais confundem o amor, unem-se e daí há pouco tempo estão separados e quantos se afastaram de outros por pensar bobagens, sim, um amor é o de ser útil e nada mais, é como dar as mãos e lutar.

O objetivo final do verdadeiro amor, é a liberdade do dever, é a liberdade e amor divino, com o despertar desse amor vem o conhecimento.

O Amor Divino e a Sabedoria Divina são uma coisa só, desenvolvem-se simultaneamente e levam à consciência de Deus.

Desde o momento em que o homem ama a todos os seres vivos como ama a si mesmo, conhece o “Eu” de todos e se eleva ao plano da consciência divina e o Amor Divino se expressa através do sentimento de humildade.

Assim, como a música, a pintura e a escultura são artes de expressar o amor e que exige muito aprimoramento.

É o que sempre estamos ensinando, procure ter a sua mente limpa para tudo e ficará bem mais claro e mais bonito para você.

“Quando virdes um homem sábio, pensai em igualá-lo em virtudes. Quando virdes um homem desprovido de virtudes examinai-vos, verificai se não vos parecereis com ele”. (Confúcio).