São Paulo

A nossa querida capital do estado que eu amo de coração aberto. Tenho o prazer de ter nascido nesta cidade.

O meu afeto por esta cidade é grande, um dos motivos, é que a cidade de São Paulo e seus estados impulsionam o Brasil, o outro é que o nome São Paulo é uma homenagem ao Apóstolo Paulo, este santo homem que quem conhece e lê a sua história, odeia-o porquê ele era o que mais perseguia Jesus de Nazaré.

Ele tinha um ódio mortal de Jesus, na verdade, nessa época, ele usava o seu verdadeiro nome Saulo. Ele foi um grande fidalgo e um estudioso de grande talento, porque tudo que passava por ele resolvia numa facilidade incrível, lógico dentro dos limites da época que estavam.

Estudou profundamente, na época a Teologia e se transformou num teólogo que até hoje alguns teólogos não conseguiram transpor o seu conhecimento.

Foi um homem que vivia para a sociedade, pela fina sociedade, se dedicando sempre a ensinar a nobreza como usar a sua fé e nisso ele era genial.

Por outro lado, sentia aversão pelos pobres, era impiedoso, mas sempre um caráter muito firme, nunca abaixava a cabeça para ninguém. E nessa época ele definiu a “Fé” da seguinte maneira: “A Fé é a substância das coisas esperadas, a prova das coisas não vistas”.

Saulo se protegia com a “Fé” que tinha das coisas ruins que ele não tinha a dádiva de ver, mas sabia que existia.

Só se ouvia falar de um peregrino chamado Jesus, foi quando Saulo passou a odiá-lo porque Ele pregava a existência de um Deus que existia no céu.

Saulo achava que tudo que Jesus falava eram “asneiras” e prometia para si mesmo perseguir este charlatão e matá-lo com a lâmina afiada de sua espada, jurando por seus deuses.

Numa certa noite, Saulo, teve um sonho que esse charlatão da plebe Jesus encontrou com ele, ao tirar a espada da bainha para atacar Jesus, ele se abaixou mais rápido do que Saulo pegou um punhado de terra do chão e jogou nos seus olhos que desesperado gritava, os seus servos escutando os gritos entraram no quarto, ele gritava que estava cego, assim acordou aos gritos.

Os servos chamaram por ele, tiveram dificuldade em acordá-lo, quando Saulo acordou assustado, viu que estava enxergando e jurou que ao amanhecer sairia em busca no reinado para caçar esse animal Jesus.

Foi autorizado pelo governo, porque na época Saulo era um espadachim imbatível, então começou a perseguição.

Todas as manhãs ele parava, para treinar com sua espada, porque acreditava mais nos Rabinos do que em Jesus que falava para a plebe sobre paz, saúde, amor perdão e prosperidade.

No entanto, o que ele queria mesmo era tomar o governo dos poderosos e fazer, tanto os fidalgos como a plebe serem seus escravos.

E saiu em busca de Jesus com a sua caravana de notícias na perseguição de Jesus e alguém lhe informou que Jesus estava na casa de um amigo muito fiel de nome Estevão.

Na realidade, Jesus não se encontrava lá, mas essa pessoa que trouxe a notícia odiava Estevão e sabia que Estevão não sabia lidar com espadas e Saulo foi até a casa de Estevão cheio de ódio, chegando lá já falando:

- “Onde está aquele crápula?”.

- “Bom dia Senhor, como está passando, Estevão respondeu e continuou, “sinto muito informá-lo que eu não conheço essa pessoa que se chama crápula”.

Saulo enraivecido tirou a sua espada e cravou no peito de Estevão que ainda falou para ele:

- “Eu te perdoo!”.

Saulo saiu em desespero e chegando à estrada de Damasco encontrou-se com Jesus. Desceu do seu cavalo já tirando a espada da bainha, mas quando olhou para os olhos de Jesus sofreu um arrepio, caiu de joelhos pedindo perdão e Jesus lhe respondeu:

- “Como Estevão te perdoou eu também te perdoo”.

- “Quero ser seu discípulo!”, falou Saulo.

Jesus colocou então a sua mão na cabeça dele e disse:

- “Saulo, não existe mais, existe sim a partir de agora ‘Apóstolo Paulo’.”

Paulo chorou e beijou os pés de Jesus falando:

- “Agora, nesse momento nós estamos formando um círculo que seremos sempre uma comunhão unida de muitos seres, seremos todos esotéricos.