Faço ou Não Faço?

Quando estamos planejando algo importante para a nossa vida ou para os nossos familiares, fazemos projetos de negócios e de repente, na alegria, antes de executar esse plano surgem dúvidas se estamos certos ou não.

Porque a nossa realidade de vida é uma surpresa, de repente podemos estar enxergando uma realidade que não nos pertence, então entramos em dúvida com o nosso pensamento, visto que temos forças favoráveis em nossa mente, mas também temos forças que nos diz e nos traz energias negativas que põe as ideias favoráveis numa guerra com as ideia contrárias.

Podemos ter, às vezes, uma grande claridade traçada pela alegria de ter a grande oportunidade em dar um conforto maior aos nossos familiares, e de repente, as ideias contrárias infestam o nosso pensamento de que não iremos conseguir pagar as mensalidades, que irão se transformar em documentos hábeis e fortes se não der para pagar, perderemos tudo, em seguida vem à dúvida: faço ou não faço?

E torna-se um pensamento de que esse projeto é um absurdo e que representa para nós uma força pequena, difícil, dura e cruel se não conseguirmos, perderemos tudo.

Nesse momento, o nosso pensamento nos dá outra opção, procure os amigos solidário para saber deles como está o mercado, como está o nosso governo financeiro. Mas, antes tenha certeza de que essa pessoa tem amizade por você ou não.

Nunca fique na dúvida no momento do talvez, vem à dúvida: acho que é invejoso porque critica tudo que eu faço, ele fala que é para o meu bem essas criticas, mas será mesmo?

Um pequeno relato acontecido com um amigo meu.

De repente alguma coisa acontece na sua mente e vem como uma voz clara, altiva e poderosa que o deixa feliz e pensa eu vou me recolher, repousar para amanhã ter um dia da minha grande realização, logo cedo, vou procurar meu amigo e pedir um conselho a ele, se devo fazer o negócio ou não”.

De repente um sonho: Sonho com os meus amigos, reunidos e festejando o meu sucesso, todos me abraçando, desejando felicidades, mas, o amigo escolhido para me orientar, sempre chamou a minha atenção e que me criticava, não estava presente, então a minha alegria e sucesso já tinha acontecido, nós estávamos festejando uma alegria, e, aquele que me criticava, já estava riscado da lista. Quando estava me dirigindo aos meus grandes amigos, eu recebo um telefonema, quem era?

Era esse que se dizia ser meu amigo e que só me criticava e me fala o seguinte:Olha, não faça o negócio agora, o mercado imobiliário está muito em baixa. Eu fiquei sabendo pela sua mãe sobre a sua vontade de ter um imóvel, para dar maior conforto a seus familiares, mas agora, não é o momento. Tome cuidado!

Agradeci, desliguei o telefone e pensei: “Como é falso! Está morrendo de inveja da minha pessoa, então, ele quer que eu realize o meu primeiro sonho e não quer que eu dê um passo com medo de que vou superá-lo.

Agradeci ao meu sonho por mostrar-me que eu tinha tantos amigos que poderiam ser tão útil para mim.

Chegando ao meu serviço deparei-me com os meus amigos e, ainda, tínhamos um tempo para conversarmos, todos bateram palmas e me incentivaram a fazer o negócio, inclusive, de faltar do serviço e fazer o negócio naquele momento.

Não tive dúvida fui para a imobiliária e realizei o negócio e me senti a pessoa mais feliz do mundo, o homem invencível, poderoso e a partir daquele momento eu era dono de um imóvel cobiçado por muita gente.

Com o negócio já realizado, me senti o homem mais poderoso e feliz do mundo, mas não comentei com aquele amigo que eu tinha realizado a compra e ele também nada perguntou, talvez, pensando que eu tinha seguido o conselho dele, com o seu silêncio também fiquei feliz, porque não havia necessidade de explicações, como eu tinha feito o negócio com o contrato de gaveta, fiquei calado, já que tinha ouvido falar tanto e assinado papeladas sobre a compra.

Percebi, então, que esse amigo que me criticava tanto, que também, se manteve em silêncio e nada me perguntou, percebi que o seu perfil físico era de um homem honesto e pensei: Por que será que ele fez tanto empenho e me deu tantos conselhos? Não foi por mal, acho que ele realmente queria me alertar para que eu não entrasse numa fria”.

Então, olhei para ele, o seu semblante era sereno, eu fiquei observando-o e percebi que era um homem feliz, não mais que eu, e tratei de conversar com ele sobre outros assuntos e dos serviços nossos, e, ele sendo muito solicito em me escutar e ensinar a mim sobre os trabalhos.

Percebi que naquele momento ele me ensinou coisas para que eu pudesse evoluir muito dentro da firma, eu pensei comigo mesmo: Poxa, eu pensando em disputar com ele, e, ele em ser tão gentil comigo”.

E de repente me veio um pensamento: Ele é um homem sábio. Sabe das coisas. É um homem feliz, muito mais do que eu, será que ele estava certo?

Ah, eu não acredito de forma nenhuma que quem está errado sou eu, mas tenho a certeza que ele é um homem bom e devo mantê-lo como meu grande amigo, porque ele se interessou em me ajudar, e não é por ele ser tão correto, que ele possa estar certo no conselho que me deu, mas dessa vez eu acertei, isto que é importante”, e a vida continuou.

Passado um mês recebo uma correspondência do banco que dizia que eu tinha que pagar a 2ª prestação do imóvel que eu tinha adquirido. Nesse momento fiquei meio agitado, mas depois passou, deve ser engano do banco amanhã irei ver.

O banco estava muito cheio quando eu fui e deixei para o outro dia, e passou mais de uma semana, veio o oficial de justiça, entregou-me um aviso que poderia me protestar no total da dívida, eu me estremeci, fui correndo ao cartório, então, percebi que tinha caído num golpe, para mim eu tinha pagado o valor da casa e na verdade tinha sido pago só a primeira parcela, o resto estava tudo vencido e no cartório mesmo chorei muito e não voltei para o serviço.

À noite recebi a visita do amigo critico, foi o único que veio ver o que estava acontecendo comigo, contei-lhe a história esperando dele uma grande critica, ele se calou, abaixou a cabeça e nada falou, levantou, se despediu e falou para mim: “Não se desespere, irá aparecer uma solução”.

No dia no seguinte, quando cheguei ao escritório, estava ele lá me esperando e falou para mim: Você hoje não vai trabalhar e nem tem condições para isso, eu vou te levar num lugare me levou no seu advogado, então, começou o processo contra o invisível, porque aqueles que me venderam o imóvel sumiram, agora entendi porque me venderam tão barato aquela mansão, e, conseguimos evitar o protesto pagando algumas duplicatas no qual esse amigo me arrumou o dinheiro.

Hoje, a casa me pertence, está tudo quitado, mas, devo tudo aquele amigo que me criticava.

No dia em que quitei a casa, esse meu amigo faleceu. Ah ia me esquecendo, os amigos que me abandonaram, voltaram novamente, só que estou diferente.

Hoje estou pagando a última prestação para a viúva do meu grande amigo critico, devo a ele tudo que eu sou na vida.

Essa história foi real, eu fui o orientador do amigo critico e também do teimoso, que hoje, nem toma conhecimento de minha pessoa, mas estou muito feliz por ele ter conseguido.