Carnaval

     O carnaval teve o seu iniciou no Séc. II, quando os aristocratas faziam suas festas que duravam de 3 a 4 dias, chegando até sete dias, isto na Europa.

    De lá para cá foi evoluindo como presenciamos nos filmes que trazem hoje, ainda dentro da evolução desses bailes, lançaram o Baile das Máscaras e o ritmo dançado era a valsa, rodavam demais, principalmente nas valsas vienenses, foi por este motivo que os compositores de músicas clássicas compunham as valsas, em seguida viram diretos até chegar no dia de hoje, que ainda se faz belos desfiles populares pelas avenidas.

    Os mais famosos eram da Itália, França, Espanha e Portugal, no Brasil que foi o ponto alto, se tornou a base para essas festas populares, vindo dos Portugueses, trazendo para o Brasil no seu descobrimento, que durou muitos anos.

    Até então vivia no Brasil os escravos africanos com o seu ritmo do samba do Bumba meu Boi, então, o ritmo de samba Bumba não é brasileiro e sim africano.

    A nossa música mesmo comum no México, é a música do país deles, a nossa foi esquecida, que hoje chamamos de música caipira, evoluiu muito, hoje nós temos na sua evolução, atingindo vários pontos de sucesso.

    Uma musica mais ativa é o Frevo, que também não é totalmente brasileira, ela tem algo afrancesado de quando a França procurou o domínio do nosso país, foi dessa mistura que trouxeram para nós o famoso Frevo.

    Tem-se também o Bumba meu Boi, essa dança vem mais da mistura de nossa música caipira com as danças das tribos brasileiras, por isso que o Bumba meu Boi é considerado o nosso ritmo, isso alguns séculos atrás, hoje em dia temos muita influência de músicas estrangeiras, principalmente do rock.

   Religiosamente falando, não existe do lado espiritualista uma proibição, porém existe sim, que cada um deve pagar pelos seus procedimentos nessas festas.

    As primeiras festas eram feitas com muito respeito às famílias que se reuniam, eram os aristocratas em seus salões belos, enfeitados a caráter e fantasiados, cada um fazia a sua, mas sempre seguia os moldes antigos - reais.

    Existia, na época, o carnaval de rua que era considerado de pobre, que era mais alegre, eram feitos nas ruas os desfiles, com letras improvisadas com características da época.

    A igreja católica baseia o seu calendário religioso pelos carnavais europeus, é daí que surgiu o calendário religioso, agora estão se baseando também no maior carnaval do mundo que é no Brasil.

    Mas, com a evolução percebemos que os carnavais não traz felicidade para ninguém porque não existe moralidade, o que existe é o nu púbico, que nós espiritualistas condenamos, porque cada ano que passa essas festas se torna uma ofensa ao pudor religioso.

    Como o Mestre Vitório me pediu para falar do Carnaval, trago como conhecemos as festas carnavalescas: para nós é uma ofensa. Mas nada temos a condenar quem gosta de participar das festas, principalmente aqueles que mantem ainda a nossa tradição - Família em primeiro lugar.